domingo

---

A tranquilidade das rochas
é observada pelo rio que corre.
A quietude do céu
é observada pelo flutuar das nuvens.

O sol vem lá de cima para nos tocar.
Ás árvores cá em baixo para nos apoiar.

Temos o silêncio a ouvir:

A chuva faz ligação entre
rio e céu
rochas e nuvens

O Homem faz ligação
o quê?

Temos sorrisos à espera de serem feitos.

sábado

*

"A montanha vazia repercute os mínimos sons, faz ressoar a distância no pavilhão auricular com uma clareza perturbadora. O vento espalha o sussurro das folhas que caem; as corujas piam a sua solidão sem remédio. Quando se anuncia uma tempestade, a trovoada faz vibrar as portadas, e com elas o corpo do homem que está à escuta. "

François Cheng, A Eternidade não é de mais Ed. Bizâncio pg 202

sábado

---

Rochas de árvores no meio das nuvens a contemplar os Homens.
Nós por aqui: a abanar sem vento.

quinta-feira

#14

...

Manto de pedras voa
ergue o horizonte a ser observado.

....

Pedras murmuram leves segredos
à volta de um lago
enlaçado de sol.

quarta-feira

domingo

....

Permanece em demorado silêncio a folha
Enquanto espera pela próxima gota:
Nunca sabe o tempo da Chuva.

sexta-feira

....

A mão pega de um lado, a outra do outro. A meio da força rasga-se um vazio.

Uma folha dois pedaços: no meio permanece em branco o rasgo que nunca irá ser tocado.

domingo

...

Uma respiração eterna mantém dentro dela uma montanha plena de vazio.

Vazio aberto a uma respiração oriunda de todos os lugares para todos os povos, secretamente guardada à superfície. Através do sopro vindo da sua respiração, emerge em água cristalina uma terra firme: firme como o ar solto.

sábado

---

Cerrada em si a rua escuta
o frio tem um corpo de um abraço arrepiado.

terça-feira

...

Caminhava eu na terra quando um fio de água caminhava no ar.
Na sua caminhada, esse fio de água fintou-me. Cheguei-me a ele e desenhei com o meu Guarda o que ele escrevia: Chuva.